Orquídea

Não afogue a sua orquídea!

Você sabia que, em geral, é mais fácil você matar uma orquídea afogada do que por falta de água?

É claro que eu estou exagerando, pois não se trata realmente de um afogamento. Para você realmente afogá-la, só se colocá-la em um vaso sem drenagem e cheio de água – o que não é tão incomum e foi desta forma que eu matei a minha primeira orquídea :

O que eu quero dizer é que as raízes das orquídeas precisam, entre uma rega e outra, ter um tempo de arejamento, ou seja, você não deve molhar o substrato antes que este esteja levemente seco ou seco.

A verdade é que o excesso de regas é uma das maiores causas de morte de orquídeas por cultivadores iniciantes. Por isso, é um assunto que eu gosto sempre de fixar.

Vamos entender um pouco mais…

Na natureza, a maioria das orquídea vive em florestas, fixada nas árvores.

Naquele ambiente, recebem iluminação filtrada pelos galhos e folhas, brisa e também a água da chuva que escorre pelos troncos das árvores.

Quando chove, a orquídea é regada abundantemente, mas como está presa na árvore e sem substrato, logo suas raízes se secam. (Devido as raízes estarem expostas, entre uma chuva e outra, ela tem tempo para se secarem.)

Por isso, as raízes secam mais rápido do que se estivessem plantadas em substratos (casca de pinus, fibra de coco, musgo…).

No cultivo em vaso, devemos criar um processo de rega/secagem semelhante, mas como o substrato demora mais tempo para secar do que quando ela está na árvore, a rega deverá ser mais espaçada. Orquídeas presas em árvores devem ser molhadas todos os dias ou em dias alternados, mas as em vaso não!

O fato é que muitos substrato (principalmente conforme ele vai se deteriorando – processo natural) podem demorar dias para secar. Por isso, é importante estar atento a cada vaso, para ter certeza se há ou não necessidade de aguar a sua orquídea.

Agora que já sabemos porque é necessário deixar as raízes se arejarem antes da rega, podemos dizer que as raízes que ficam muito tempo molhadas e não tem tempo de se arejar, apodrecem.

Na verdade, o que acontece é que esta umidade contínua favorece ao ataque de bactérias que matam as raízes, dando a ela um aspecto de apodrecimento e uma coloração marrom.

Não-afogue-a-sua-orquídea
Quando a raiz escurece, é sinal de que ela não tem mais função, ou seja, não está mais alimentando aquela planta!

Com poucas raízes saudáveis, a planta não consegue absorver água e nutrientes, por isso, ela desidrata.

Os primeiros sintomas visíveis são folhas murchas ou moles (principalmente no gênero Phalaenopsis) e bulbos e folhas enrugadas (caso das Cattleya, Laelia, Dendrobium…).

Na dúvida se é hora de regar ou não, coloque o dedo no vaso e sinta o meio do substrato. Se ele estiver úmido, não molhe. Faça o mesmo teste no dia seguinte.

Atenção!

A falta de água também causa desidratação!

Neste caso, as folhas e bulbos também ficam enrugados e/ou moles, mas o principal a ser observado são as raízes, pois quando ficam muito tempo sem água, ficam secas e com muitas rachaduras. E geralmente, em cima do substrato, aparece uma espécie de mofo de coloração branca.
Ah! E se você não sabia, não é só a falta de água que deixa as raízes secas, a pouca umidade no ar também pode causar isso nas raízes que ficam fora do substrato.

Dica para Iniciantes: Orquídeas com bulbos (Cattleya, Oncidium, Miltônia…) usam esta parte como uma reserva de água e nutrientes, por isso, são mais fáceis de cultivar.